Como ajudar na lição de casa sem fazer por eles

A lição de casa é muito importante para o desenvolvimento do aluno. E a participação da família nessa atividade, fundamental. Mas quando os pais sentam com os filhos para fazer os exercícios, até que ponto podem ir para não tirar a responsabilidade deles?

Marcos Meier, professor de matemática, psicólogo e mestre em educação, ensina que o ciclo da aprendizagem tem três fases. A primeira é a aula: “as informações entram na memória de curto prazo, ou seja, o aluno precisa relembrar o conteúdo, senão vai esquecer. Para fazer a fixação, tem que pegar o caderno e fazer a lição de casa”, orienta. Aí é que entra a segunda fase que, de acordo com o professor, é a memória de longo prazo. Já a terceira fase é o sono. “A criança com até dez anos de idade tem que dormir de oito a dez horas por noite. O cérebro entra em quatro períodos de sono profundo, quando libera substâncias que fazem o backup”, explica.

Rotina

O especialista chama a atenção para a rotina da lição de casa, pré-requisito para que a atividade seja prazerosa e produtiva: desligar a televisão, preparar o ambiente e cumprir horário ajuda a criar o hábito, principalmente com os mais novos. Computador e celular também precisam ficar de lado. A não ser, é claro, que a tarefa precise deles, já que muitas escolas usam a tecnologia como apoio na aprendizagem.

“Hoje não tem lição”

Uma situação comum, que pode acontecer aí na sua casa, é quando os filhos dão a famosa desculpa “hoje não tem tarefa” na tentativa de sair da rotina. Aí, os pais podem insistir: “então, nós vamos ler, estudar”. Isso ajuda a criar o hábito, mostra que mesmo sem a lição, aquele é um momento de estudo que deve ser mantido. Vale a pena tentar!

Meu filho está com dificuldade. E agora?

Quando os filhos pedem ajuda e demonstram dificuldade, no máximo o que os pais devem fazer é dar minidicas, sugere Marcos Meier. Mas, principalmente, fazer a criança voltar ao conteúdo para que ela mesma reveja e relembre. Se realmente não conseguir, é preciso pedir ajuda ao professor. “Mandar um bilhete explicando que tentou orientar, mas que ele (ela) não soube fazer”. Outros alunos podem estar com a mesma dificuldade, e talvez seja o caso de rever o assunto em sala de aula, mas essa decisão é do professor, e ele só vai perceber a necessidade pelos resultados da lição de casa.

Quando a lição de casa vira briga

Mesmo com regras claras e acompanhamento dos pais, pode acontecer de a lição de casa virar motivo de briga, em especial com filhos adolescentes. Nesse caso, é importante reforçar que gritar é a última alternativa. “Isso não significa não ser firme, claro”, alerta. Então, o mais indicado é uma conversa que os faça pensar no que é bom para eles. Aí vem uma lista de argumentos: poder sair de férias mais cedo, não ficar de recuperação, estar preparado para o vestibular, saber mais das coisas, ser bem-sucedido no futuro. “Com os adolescentes, o que funciona é a conversa amiga, próxima, verdadeira. Quando eles entendem que a lição é para eles, por eles, o negócio vai.”

Leia mais:

Lição de casa é tema do novo programa do Positivo com Patricia Poeta 
Lição de casa e WhatsApp: o dever é do aluno